top of page

Livro ‘Contos dos Cerrados’ será lançado na FLIB


Segunda obra coletiva a ser publicada com o selo da Academia Barreirense de Letras (ABL), o livro ‘Contos dos Cerrados’ é organizado pelos professores e escritores Ananda Lima e Valney Rigonato e será lançado durante a Festa Literária Internacional de Barreiras (Flib), entre 23 e 25 de maio, com versão impressa e virtual no Clube de Autores.

O livro reúne 31 escritores, entre novatos e veteranos, da região Oeste da Bahia. Na apresentação do trabalho, Lima e Rigonato, que são membros da academia, defendem que os autores buscaram superar visões singulares em prol das pluralidades.


“Os contos inseridos nesta antologia estão recheados de valores, costumes, tradições, manifestações religiosas e também das metamorfoses econômicas, políticas e culturais que ocorrem nesse bioma. O plural é natural e humano nas paisagens dos Cerrados”, descreveram.


Voltada para o público infantojuvenil, a obra, que pode ter continuidade em futuras novas edições, convoca os leitores a imergir, não apenas nas belezas das paisagens do bioma cerrado, mas também na vivência neste meio.


“Vejo este projeto como uma oportunidade de interligar os saberes científicos com os saberes literários, trazendo as contradições que a modernização da agricultura impôs nas paisagens e seres vivos”, afirmou Valney Rigonato, pontuando a linguagem atualizada e ressaltando que a experiência do trabalho com a equipe envolvida está sendo transformadora.


Para Ananda Lima, além de todos aspectos já pontuados, tem relevância no projeto a oportunidade criada para que escritores novos, que não são da academia, tenham um trabalho publicado. “Temos mensagens muito fortes, que provocam grandes reflexões”, afirmou, enfatizando que os contos trazem essa diversidade de olhares sobre o bioma a partir da vivência dos seus autores.


Outro ponto destacado é o fato de até pouco tempo não se estudava o bioma cerrado com profundidade nas escolas. “Então, trazer um livro infantojuvenil com narrativas em torno deste cerrado é oportunizar a crianças, jovens e adultos um olhar diferente sobre este espaço geográfico e despertar nas pessoas mais consciência, respeito e vivência amorosa com o bioma”, salientou.


COLETIVO - O trabalho contou ainda com a participação dos escritores e membros da ABL, Antônia Maria Prado de Araújo e Antônio de Pádua de Souza e Silva, bem como das professoras Josenilce Rodrigues de Oliveira Barreto e Terezinha Oliveira Santos, que atuaram na revisão dos textos. A diagramação e capa tem a assinatura do também escritor e membro da ABL, Théo Santos. A impressão é da Gráfica e Editora Irmãos Ribeiro.


De acordo com Théo Santos, que assina o conto ‘A gameleira de Iroco’, seu foco é o racismo religioso e ambiental, “um tema sensível, mas que precisa ser amplamente debatido e combatido nos dias atuais”. Ele classificou o livro como “um primor de qualidade”, pela riqueza dos assuntos abordados. Este é seu segundo conto publicado em coletânea, bem como sua segunda experiência na diagramação de um livro, “o que gerou uma grande ansiedade frente a expectativa a um coletivo de autores tão talentosos e inspirados. Traduzir o encantamento dos contos, das lendas e as peculiaridades do bioma cerrado é, sem dúvida, uma tarefa desafiadora”, concluiu.


Confira a lista de contos e autores:


A gameleira de Iroco Théo Santos

A professora Matilde e sua maleta Valdélia Bomfim Ramaccotte Miranda

A magia do cerrado Tânia Valéria

A malinha de perguntas e descobertas Gelson Vieira

A menina e a bailarina do cerrado Brigida Freitas

A porta de cedro Marinelia da Silva Rocha Serpa

A queda do machado Antônia Prado

A rainha do cerrado Francisco Serpa

A vingança da pintada Victor Sena

As joaninhas Tita, Jojô e os sabores Edléia Gonçalves

As memórias de Alira Ananda Lima

Calliandra dysantha Eudira da Silva Pinto Almeida

Lá no cerrado Celso Lacerda

Mais uma história de pescado Éllen Sodré

Maria e a arara-azul Miriam Hermes

Meu nome é Silva, Lobo Silva Adilma Vilela

Mistérios do cerrado Maria Augusta Serpa

O dia que o café falou! Stephany Cecília Rocha Damasceno

O enterro do “imbigo” Franco Porto

O grande Ipê Mágico Maria do Carmo

O ipê cor de ouro Ana Cinthia Passos Moreira

O ipê dourado Evandro Guimarães de Sousa

O João de Barro ciumento Robson José Batista

O lobo-guará e o fazendeiro Débora Santarém

O olho que chora e fala Raimundo Corado

O pequeno Ossain, um erveiro aprendiz Carolina Reichert do Nascimento

O segredo que transformou o cerrado Tina Laura

Quebranto? Reza cura. Marilde Queiros Guedes

Revolução dos gafanhotos do Vale do Guará! Valney Dias Rigonato

Trilha no cerrado Eva da Silva Pais

Vem, Maria! Thiago Rafagnin

123 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page